sexta-feira, 2 de agosto de 2013




Não basta fechar os olhos, fazer uma reza e esperar que tudo que te maltrata acabe, que a fada madrinha apareça ou o gênio com a lâmpada mágica te conceda três míseros pedidos. Tua vida é bem maior que isso, quem tem o poder de resolvê-la é você. O bom é que todos os dias existe a possibilidade da mudança, o segredo é querer mudar e não desejar permanecer covardemente inerte, numa situação que não faz nada por você. Que te sufoca, te contraria, te maltrata ou te faz descer ao mais baixo grau do desamor. Sim, porque aprendi a me amar, e, amar a si, não é tão fácil, a briga que temos até descobrir o que somos, o que queremos é tremendamente irritante e exige coragem para assumir os próprios defeitos e enxergar mesmo que te corte ao meio a dor, ou que te arraste em calçadas sujas e te faça comer o pó da sujeira. Mas é necessário ainda que te faça engolir o orgulho, engolir primeiro a dor. Amar a si é saber o que te fez chegar aqui, ao espelho, o teu reflexo, a tua cara limpa ainda não lavada quando acorda, aquela que você esconde ao amanhecer, quando conseguimos ser fortes e enfrentarmos essa dor, aí o amor chega e nos faz subir e voar. Porque você não mais vai chorar por ontem, porque o ontem é ontem e ponto. Você não vai se importar de aparecer com a cara ainda para lavar, porque você não tem vergonha de você. Amar é algo sublime e amar a si é o segredo de ser feliz. Não existe eu não consigo, eu não posso, alguém não faz, não culpe, "aja". Felicidade é encarar o fundo de você mesmo, dos seus medos, suas manchas, seus erros, é enxergar também suas vitórias, sua força. É se enxergar, é deixar se enxergar. Não tenha medo de ser você, de lutar por você